segunda-feira, 24 de julho de 2017

LEITURAS SOBRE A PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO PARA 2040 DIVULGADA PELO IPARDES


Segundo o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social - Ipardes (2017) FOZ DO IGUAÇU vai perder 44.708 habitantes até 2040. CURITIBA vai ganhar 60.379 e MARINGÁ terá 149.623 habitantes a mais. 

Maringá cidade de crescimento expressivo
 

Maringá (Acima) terá que aumentar significativamente o número de servidores e equipamentos que prestam atendimento socioassistencial a população. Foz do Iguaçu não precisará contratar e nem construir CRAS, CREAS, instituições de acolhimento, centros de convivência, talvez tenha até que demitir ou realocar servidores e fechar alguns destes equipamentos. Esta é uma simples e precipitada leitura dos números acima.

NÃO se pode fazer a leitura: “MAIS HABITANTES MAIS PROCURA DE SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS”. A quantidade de pessoas que irão usar os serviços depende de outras variáveis demográficas, econômicas e sociais. No mais projeções a longo prazo estão suscetíveis à erros significativos.

As pessoas que procuram e/ou são atendidas pela assistência social possuem estes perfis: extremamente pobres ou pobres, crianças, adolescentes, mulheres em sua grande maioria, idosos, vítimas de violência, abuso, racismo, negligência, abandono, com direitos violados, pertencentes a grupos de minoria ou comunidades tradicionais, pessoas portadoras de deficiência, em situação de rua, atingidas por situações de calamidade pública e emergência, em dificuldade financeira quando do nascimento ou morte de um membro da família. PARA CADA UM DESTES PERFIS EXISTEM INDICADORES, SOMADOS A PROJEÇÃO POPULACIONAL, RESULTARIAM NUMA LEITURA MAIS APROXIMADA SOBRE O FUTURO DA DEMANDA.

Dizer: “quanto mais habitantes mais procura por serviços” é o mesmo que dizer: “QUANTO MAIS HABITANTES, MAIS POBRES, MAIS IDOSOS, MAIS CRIANÇAS, MAIS PESSOAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA ...”. Existe uma tendência de envelhecimento da população, isto significa dizer que permanecendo ou diminuindo pouco o número de habitantes, ainda assim aumentará o número de idosos. Já a taxa de natalidade tem diminuído no decorrer dos anos, logo a população precisará aumentar muito para aumentar o número de crianças. QUANTO AS OUTRAS VARIÁVEIS A CORRELAÇÃO É IMPREVISÍVEL. Acredita-se que envelhecendo a população o número de violências diminua, vide exemplo da Europa. Em resumo a única correlação mais direta é entre habitantes, idosos e mulheres.

MAIS IDOSOS SIGNIFICA MAIS NECESSIDADE DE SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA PARA ESTE PÚBLICO. O Gestor da Assistência Social de Maringá tem que estar preparado para aumentar o volume e qualidade dos serviços: Proteção Social Básica no Domicílio para Pessoas com Deficiência e Idosas; Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência, Idosas e suas Famílias; Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para idosos e intergeracionais; Serviço de Acolhimento Institucional (Asilos).

Por conta do envelhecimento e do aumento de habitantes temos um aumento do número de óbitos. Segundo o IBGE (2017) o Paraná aumentou de 68.603 (2011) para 70.530 (2015) o número de óbitos. MAIS ÓBITOS COM A PERMANÊNCIA OU AUMENTO DO NÚMERO DE POBRES SIGNIFICA MAIS NECESSIDADE POR AUXÍLIO FUNERAL (benefício eventual). Os municípios terão que se preparar para o aumento de servidores para atender as pessoas e aumento do orçamento destinado a este benefício.

Porém … Veja bem … O AUMENTO EXPRESSIVO de MARINGÁ (37% mais habitantes que hoje) SIGNIFICA SIM, neste caso, AUMENTO DE DEMANDA para todos os serviços socioassistenciais. É quase que improvável que com um aumento destes não aumente o número de pessoas vítimas de violência, abuso, negligência … Aumentos insignificantes igual o de Curitiba (3%) estão amparados pela análise realizada acima, ou seja, este aumento não significa aumento de demanda, talvez signifique até uma redução.

Foz do Iguaçu cidade com redução de população

FOZ DO IGUAÇU (Acima) é para este analista um caso de ERRO GROSSEIRO DE PROJEÇÃO DO IPARDES. Assim como já foi na penúltima projeção, além de Fazenda Rio Grande e outras cidades da região metropolitana de Curitiba nas quais o Ipardes superestimou a projeção de população. Aconteceu alguma coisa entre o Censo de 2000 e 2010 em Foz, provavelmente houve falhas no censo de 2000 superestimando a população, logo a população diminuiu em 2010. As projeções do Ipardes leva em consideração esta temporalidade para prever principalmente o fluxo migratório, neste caso negativo.

Para o leitor entender em Foz do Iguaçu houve 4.349 nascidos vivos em 2015, contra 1.529 óbitos, logo O SALDO ENTRE “VIVOS E MORTOS” foi de 2.820 habitantes a mais em 2015. Este mesmo saldo multiplicado por 24 anos (tempo até 2040) daria um saldo de 67.680 habitantes a mais. O Ipardes projeta redução de 44.708, para que isto aconteça 112.388 pessoas irão embora de Foz (emigração) a mais do que aquelas que estarão chegando em Foz (imigração). Claro que o cálculo entre vivos e mortos foi feito a grosso modo, este número tende a se alterar conforme passa os anos, inclusive podendo ser mais positivo. Ainda assim para que este número seja tão diferente (situação dada pelo Ipardes) É NECESSÁRIO UM FLUXO MIGRATÓRIO EXTREMAMENTE NEGATIVO EM FOZ DO IGUAÇU. É possível prever isto? Acredito que não, o fluxo migratório é muito sazonal e depende de muitas variáveis.

NOTA:
População estimada em 2016 e projetada para 2040 das 3 cidades em tela
Maringá = 403.063 para 552.686
Curitiba = 1.893.997 para 1.954.376
Foz do Iguaçu = 263.915 para 219.207

BIBLIOGRAFIA

BRASIL. IBGE. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/registro-civil/quadros/parana/nascidos-vivos. Acessado em: 23/07/2017.

BRASIL. IBGE. Estimativa da população 2016.

PARANÁ. IPARDES. Disponível em: http://www.ipardes.pr.gov.br/imp/index.php. Acessado em: 23/07/2017.